Sou tudo o que eu como?

Todo mundo já ouviu essa expressão: “você é o que você come”, não é mesmo? Mas será que isso é verdade?

Ao pé da letra não é verdade. Não é porque você comeu uma batata ou sorvete ou um bacon que você se tornará isso. Você é o que você come e metaboliza! Isso é importante ressaltar. O alimento nos serve de veículo de nutrientes, calorias, fibras, água para várias funções que ele desempenha.

Se o nosso hábito alimentar é composto basicamente de alimentos pobres no que realmente precisamos, e muito ricos em calorias, com certeza veremos funções comprometidas e ainda: o excesso dessas calorias virar estoque em forma de gordura.

Ver gordura localizada até com comprovante de endereço não é o que queremos né? 

Temos que entender que o fato de comer envolve várias coisas: prazer, satisfação, comemoração, afeto, necessidade, prevenção, dentre outras. Precisamos de um equilíbrio disso tudo. Você pode comer tudo? Sim! Mas não tudo! Entende? Comer de tudo, mas não tudo? Que que isso…

Vamos lá para um exemplo: você preparou uma mousse de chocolate para uma sobremesa do domingo. Será que você pode comer? Claro! Dentro da porção que foi determinada para você comer, e não a mousse inteira! Não é libertador? Isso serve para qualquer alimento que você julga “fora de dieta”. O que você precisa é alinhar suas necessidades com o que você está ingerindo e gastando. E isso você irá conseguir com uma orientação individualizada de um profissional Nutricionista.

Espero ter trazido um pouco mais de informação nesse tempo onde vemos todas as informações distorcidas sobre o que comer ou não.

Um abraço a todos!

Marcelle Vieira – Nutricionista

@marcellevieiranutricionista

Deixe uma resposta