O que você não usa, você perde

“Aquilo que você não usa, você perde” – isso é um aspecto fundamental sobre nossos corpos e mentes.

Quando você entende isso e observa a situação da saúde no país, você verá que não há “carta de alforria” (droga, cirurgia, tecnologia) que possa substituir as necessidades básicas que seu corpo precisa para prosperar (Água, oxigênio, nutrientes, desintoxicação, descanso adequado, comunidade, amor, propósito, etc.).

Por outro lado (porque não se trata apenas de acrescentar coisas boas), se você não se interessa em corrigir ou eliminar os estressores mentais, físicos e químicos negativos de sua vida, continuará a perder sua saúde, mesmo se você realizar todas as boas práticas.

Os nossos corpos são sistemas de autocura e autorregulação. A prioridade mais alta é, primeiro, diminuir os estressores negativos em sua vida e identificar/corrigir quaisquer desequilíbrios que estejam atualmente interferindo na capacidade do corpo em curar e manter sua função saudável.

Por exemplo, o exercício é bom, mas se suas articulações estão desalinhadas, se você tem problemas crônicos inflamatórios nas articulações, e você se exercita com dores crônicas, esse exercício pode rapidamente se transformar de um “bom estresse” para o aumento do seu “mau estresse” e, assim, destruir sua saúde.

Este princípio aplica-se a todas as áreas da saúde. Até mesmo dieta e nutrição. Por exemplo, entrando em uma dieta para perder peso, mas com seus hormônios fora de sintonia, você terá inflamação intestinal, sendo que e você já está sob certo nível de stress…

Algumas estratégias para perda de peso podem se adicionar aos problemas que podem estar mantendo você com excesso de peso antes de qualquer coisa (levando ao efeito sanfona).

Passe, então, hoje, a se interessar mais por sua saúde! Se você tiver sintomas e problemas, comece a investigar o por quê. Busque conhecer os fatores negativos (causas) e adicione todas as práticas positivas de saúde em sua rotina.

Ao fazer isso, o poder da sinergia entra em ação e seu corpo realmente começa a se curar, ao invés de apenas sobreviver.

Patty Azevedo

Deixe uma resposta