Instituições dão exemplos de solidariedade; saiba como ajudar

Para auxiliar famílias em situação de vulnerabilidades, instituições contam com o apoio da população na arrecadação de alimentos e itens de higiene.

A disseminação da Covid-19 não é apenas uma crise na área da saúde. O setor econômico também foi afetado, atingindo, principalmente, as famílias mais carentes. Em tempos de pandemia, instituições se esforçam para garantir alimentação às pessoas de baixa renda e materiais de proteção para os profissionais na linha de frente do combate à doença. 


O projeto Brasília Maior que o Covid (BMC) doou mais de 7 mil máscaras face Shields (máscaras de acrílico) para hospitais públicos do Distrito Federal. O objetivo é ajudar os profissionais de saúde que atuam na linha de frente no enfrentamento à Covid-19. Além das máscaras de acrílico, o grupo confeccionou 1,2 mil máscaras de tecido e 4 mil cirúrgicas.

A iniciativa conta com o apoio de instituições, como Federação das Indústrias do Distrito Federal (Fibra); Rotoplast, responsável pela confecção do suporte de plástico utilizado nos produtos; e a Voetour, que realiza o transporte aéreo do material doado. A meta é produzir 17 mil máscaras. 

Fábrica Social, coordenada pela Secretaria de Educação, recebeu, 1.525 metros de tricoline, 109 rolos com 100 metros de elástico cada, 762 metros de TNT e 39 mil metros de linhas para a confecção de 25,5 mil máscaras. As máscaras produzidas serão entregues aos policiais militares e servidores de atividades essenciais do DF.


O material para confecção das máscaras foi arrecadado em doções que envolveram Business and Professional Women (BPW Brasília), Associação do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (AMPDFT), grupo Mulheres do Brasil, Rede Internacional de Excelência Jurídica do DF, Faculdade Estácio, Agência de Transformação Social, Fundação Pedro Jorge, Central Park Gráfica de Conveniência e a estilista Letícia Gonzaga.

Cestas básicas

A doação de cestas básicas também tem sido uma ação fundamental no período de pandemia. A Paróquia Sagrado Coração de Jesus e Nossa Senhora das Mercês distribuiu 327 cestas básicas a famílias carentes e instituições sociais. Os beneficiários são indicados e selecionados por voluntárias das comunidades Vila Telebrasília e Vila Cultural, além de Organizações Não Governamentais (ONGs). A iniciativa foi ampliada e um grupo de padres lançaram o Serviço Fraterno Santa Dulce dos Pobres, uma ação do Santuário São Francisco de Assis com outras paróquia. O objetivo é ajudar famílias carentes das comunidades paroquianas e instituições sociais. O projeto está recebendo doações de cestas básicas e produtos de higiene no Santuário São Francisco de Assis, na 915 Norte; e na Paróquia Sagrado Mercês, na 615 Sul. A doação também pode ser feita em dinheiro. 

Fundação Banco de Brasil também tem ajudado famílias carentes com a doação de alimentos e produtos de higiene. Cerca de R$ 100 mil foi repassado para o Instituto Proeza, a primeira entidade do DF a receber a doação. O dinheiro será convertido em cestas básicas. Na Páscoa, as primeiras entregas foram feitas no Recanto das Emas, a 500 famílias. Ao todo, 2 mil cestas serão distribuídas. Para ajudar a Fundação Banco do Brasil a apoiar mais famílias, acesse o site da fundação


Outra iniciativa que conta com a colaboração da população é a campanha SOS Calamidades, da Legião da Boa Vontade (LBV). A entidade está arrecadando alimentos não perecíveis e kits de limpeza para pessoas em situação de insegurança alimentar. Os produtos podem ser entregues diretamente nos endereços da LBV. As doações também podem ser feitas em dinheiro, por meio de contas bancárias. Para mais informações: 0800-055 50 99 | (61) 3114-1070 | (61) 3410-6015.

#REPRODUÇÃO – Matéria por Juliana Andrade / Correio Braziliense

Deixe uma resposta